Governo é credor de mais da metade da dívida dos clubes de futebol

Mais da metade das dívidas dos clubes de futebol do Brasil são com o governo. E o valor só vem crescendo. Essa é uma das conclusões de um estudo feito pela empresa de auditoria Casual Auditores, especializada em clubes de futebol, junto à Parker Randall, e apresentado esses dias em São Paulo. O estudo foi desenvolvido apoiando-se na análise das demonstrações financeiras dos clubes nos últimos quatro anos.

Segundo o estudo, a dívida dos clubes de futebol do Brasil ultrapassou R$ 2,4 bilhões em 2009. Em 2006 estava em R$ 1,3 bilhão. A dívida fiscal, em 2006, correspondia a 52% do total das dívidas, seguida pelas dívidas cível e trabalhista (25%) e empréstimos (23%). No ano passado, a dívida fiscal já representava 57% do total (cerca de R$ 1,3 bilhão), seguida pelos empréstimos (23%) e pelas dívidas de natureza cível e trabalhista (19%).

“O aumento se deve porque a principal dívida dos clubes é a fiscal, com o governo. São os impostos atrasados. O governo até criou uma loteria, a Timemania, que viria a angariar parte da receita da loteria para abater essas dívidas. Mas o fato é que a loteria não vingou porque as receitas não são grandes, o clube parcelou 100% de suas dívidas nessa Timemania – em 240 parcelas – e agora tem de honrá-las. E como o clube não paga, sob os passivos de impostos incidem uma variação da taxa Selic [taxa básica de juros do governo federal], que é alta, e mais uma multa. Então, a tendência é que os passivos continuem aumentando”, explicou Carlos Aragaki, um dos responsáveis pela estudo.

Dois clubes cariocas lideram o ranking dos endividados. No ano passado, o clube com a maior dívida era o Fluminense, com R$ 319,7 milhões (R$ 162,2 milhões referentes à dívida fiscal), seguido pelo Botafogo, com R$ 301 milhões (dívida fiscal de R$ 152,7 milhões). No entanto, o clube com a maior dívida fiscal é o Flamengo, que deve R$ 223,6 milhões ao governo.

A lista dos maiores devedores (incluindo dívidas de todas as naturezas) segue com o Atlético/MG (R$ 293,4 milhões), Vasco da Gama/RJ (R$ 291 milhões), Flamengo/RJ (R$ 277,8 milhões), Santos/SP (R$ 153,5 milhões), Internacional/RS (R$ 142,9 milhões), Corinthians/SP (R$ 128,6 milhões), Grêmio/RS (R$ 126 milhões), São Paulo/SP (R$ 114,1 milhões), Palmeiras/SP (R$ 102,6 milhões), Cruzeiro/MG (R$ 92,7 milhões), Coritiba/PR (R$ 50,4 milhões) e Atlético/PR (R$ 20,1 milhões).

Para Aragaki, a redução dessas dívidas só virá num novo acordo entre o governo e os clubes. “Ou os clubes negociam com o governo uma solução ou continuarão nesse passo, empurrando com a barriga e, enquanto isso, os números do balanço vão sempre aumentando”.

As dívidas aumentaram, mas os clubes também arrecadaram mais. Houve um aumento de 14,7% nas receitas entre 2008 e 2009, quando os clubes passaram a arrecadar R$ 1,4 bilhão. O clube que teve a maior receita total no ano passado foi o Corinthians (R$ 181,5 milhões), seguido por Internacional (R$ 176,2 milhões) e São Paulo (R$ 174,8 milhões). Do total de receitas, 27% correspondem a cotas de televisão e outros 21% à transferência de atletas. A bilheteria respondeu por 12% do total das receitas e os patrocínios e publicidades, 16%.

“Pela primeira vez, a cota de TV ultrapassou a receita da venda de atletas. Não significa dizer que a venda de atletas não voltará a ser, nos próximos anos, a principal fonte de receitas, já que a crise na Europa pode ter afetado as finanças de cada clube”, disse Aragaki.
24Horas News

NOSSOS COMENTÁRIOS PARA MELHORAR ESSE QUADRO

 
  • O Governo não teve a iniciativa de reestruturar a Timemania de forma a efetivamente reduzir o passivo fiscal dos clubes.
  • Os clubes não tem uma agenda comum a todos, com comissões para tratar  cada tema.Timemania é um dos mais importantes.Precisa ser redesenhada e prorizada dentro da Caixa Economica
  • Valores defasados de preços de ingressos reduzem a participação dessa receita.Estatísticamente o percentual deveria ser de no mínimo de 25%.
  • Crescimentos das receitas de Tv apenas na Série A
  • Falta de uma Agencia Reguladora para fiscalizar e exigir equilíbrio fiscal.Não gastar mais do que arrecada.Já existe com sucesso na França e agora criaram na Espanha aonde a maioria dos clubes tambem estão endividados.
  • Criação de Ligas de Clubes para organizarem os campeonatos.As Federações ficam muito distantes dos clubes.
  • Os maiores já geram receitas importantes e conseguem administrar melhor seus passivos.
  • A venda de atletas não deveria ser uma das principais fontes de receitas mas sim representar um percentual abaixo da TV e da Bilheteria.
  • Na Série B os números são exponencialmente menores mas as dívidas também.Como consequencia o nível técnico está estagnado e o crescimento dos clubes tambem.
  • Os clubes ainda se beneficiam da redução do pagamento do imposto patronal do INSS.Enquanto as empresas pagam 20%, os clubes descontam na renda de seus jogos cerca de 5 %.No final pagam bem menos.Em situações boas de arrecadação mensal de jogos o benefício pode chegar no máximo a 30% do que poderiam pagar se estivessem pagando o Patronal normalmente.
About these ads